Relatório  Trabalhista nº 066- 17/08/2018 - Resumo

GRÊMIO RECREATIVO NA EMPRESA
Inserido nos programas de RH, empresas têm adotado o grêmio recreativo para integração do seu pessoal, amenizando o estresse do dia-a-dia e melhorando o auto-estima e motivação no trabalho. Detalhes nesta edição.
FGTS - ENTIDADES HOSPITALARES FILANTRÓPICAS E SEM FINS LUCRATIVOS - SUS - OPERAÇÕES DE CRÉDITO - ALTERAÇÃO
A Medida Provisória nº 848, de 16/08/18, DOU de 17/08/18, alterou a Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, que dispõe sobre o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, para possibilitar a aplicação de recursos em operações de crédito destinadas às entidades hospitalares filantrópicas e sem fins lucrativos que participem de forma complementar do Sistema Único de Saúde. Detalhes nesta edição.
GESTANTE QUE ABANDONOU O EMPREGO NÃO TEM DIREITO À ESTABILIDADE
Por unanimidade, a Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região manteve a decisão da 7ª Vara do Trabalho de Campo Grande que negou a estabilidade a uma gestante que trabalhou durante três meses como auxiliar de revisão em uma fábrica de roupas femininas.
A trabalhadora alegou que foi demitida sem justa causa após comunicar à empresa que estava grávida, tendo direito à estabilidade provisória. Já o empregador afirmou que a empregada abandonou o emprego por mais de 30 dias, não respondeu aos chamados, nem avisou que estava gestante.
As provas apresentadas no processo demonstram que, em razão das faltas, a empresa enviou telegramas à trabalhadora solicitando que ela comparecesse ao trabalho. A analista de Recursos Humanos da fábrica informou, em depoimento, que a funcionária não apresentou atestado médico justificando a ausência e nunca comunicou que estava grávida, nem mesmo no dia da rescisão.
O relator do processo, Desembargador Francisco das Chagas Lima Filho, destacou que a trabalhadora entrou com a ação trabalhista mais de um ano após ser demitida. "Esse comportamento da autora, pelo menos em tese, demonstra abuso no exercício do direito, pois objetiva apenas a indenização substitutiva da alegada garantia de estabilidade, o que, com todo o respeito, também revela certa má-fé, na medida em que tem por objetivo tirar vantagem do seu próprio comportamento omisso, seja quanto à comunicação da gravidez à empresa ou, ainda, porque ajuizada ação em tempo razoável após o parto", afirmou o magistrado.
De acordo com a Súmula 244 do Tribunal Superior do Trabalho e a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, para proteger a maternidade e os direitos do nascituro, a garantia de emprego da gestante independe de comunicação ao empregador. O relator pondera, contudo, que essa norma deve ser interpretada seguindo o princípio da boa-fé entre patrão e empregado.
"Não parece sequer razoável punir a empresa que apenas tomou conhecimento da gravidez com o ajuizamento da ação. Ora, se a autora aguarda o vencimento da própria garantia de emprego, deixando transcorrer tempo razoável para requerer não a reintegração, mas uma indenização por ato que ela própria deu causa, num manifesto abuso no exercício do direito que, como antes anotado, visa proteger a maternidade, parece não existir dúvida que agiu com má-fé", concluiu o des. Francisco.
Fonte: DCCSJT - Agência de Notícias da Justiça do Trabalho, 15/08/2018.
Relatório Trabalhista - Assinatura
Nossos informativos na velocidade das mudanças.
Atualização & Reciclagem. Assine já!.

Site melhor visualizado com a configuração da área de trabalho de 800x600, resolução mínima de 256 cores e navegador Internet Explorer. O seu navegador deve estar habilitado para usar JAVASCRIPT.

Depto. Pessoal
Recursos Humanos
Relatório Trabalhista
CLT
Legislação
Jurisprudência
Artigos
Suplementos Especiais
Quadro de Avisos
CD-Rom Trabalhista
Assinatura
Cursos
Serviços
Negócios & Parcerias
Busca
Chat DP/RH
Consulta
spacer.gif (43 bytes)
Horário de atendimento
das 13 as 17 hs.
fone (11) 4742-6674
E-mail.jpg (1550 bytes)
Há mais de duas décadas desenvolvendo e atualizando profissionais de DP/RH. desde_1987.jpg (22987 bytes)